Playlist

Playlist

Playlist

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Escravos do preconceito: Crianças negras adotadas por famílias brancas ainda enfrentam o preconceito e a reação de estranheza da sociedade



Por Jaciara Santos.


Na praça de alimentação de um grande shopping aqui de Salvador, o menino negro e franzino está sentado sozinho a uma mesa. É o horário de almoço de um dia de semana e fica evidente que ele guarda o lugar para alguém. Como precisamos de mais uma cadeira, minha filha lhe pergunta se uma das quatro que ele protege está disponível. Por timidez ou por não ter entendido a pergunta, o garoto nada responde.


Sempre de olho na possibilidade de surgir uma acomodação para três pessoas, acabo desviando o olhar do guri. Quando volto a tê-lo sob as vistas, me ponho em alerta. Uma mulher branca, cabelos grisalhos, acabara de sentar ao lado do menino e parece estar ralhando com ele, que se encolhe como se fosse mergulhar para debaixo da mesa. Já disposta e comprar uma briga, mas escondendo as garras, finjo ignorar a recém-chegada e pergunto ao garoto: "E aí, cadê sua mãe?".


Enquanto o menino faz um gesto como se apontasse alguém no meio da praça de alimentação, a senhora se apressa em responder. "A mãe dele está lá na fila, pegando o almoço. Eu sou a avó dele...". (Sinto como se houvesse levado um soco no estômago). Como se tivesse lido meus pensamentos, a mulher continua: "Eu estou reclamando com ele (olha para o menino com indisfarçável ternura) porque ele fica falando que está com fome. Fica gritando (faz um gesto de carinho nele) e isso é feio. Não é assim que se faz...".


Minha filha entabula uma conversa com a mulher, conta que seu filho caçula também age da mesma maneira. "Eu dou bronca, brigo, mas...". Ouço somente fragmentos da conversa, envergonhada que estou com meu julgamento sobre o comportamento da mulher, sobre a condição do menino, sobre o cenário.


Fico imaginando quantas outras vezes aquele menino negro e franzino deve ter sido alvo de estranheza no mundo branco dos pais adotivos. Pelo menos aparentemente, ficava evidente que aquela criança era amada e criada para ser um cidadão do mundo e não como um pirralho mal educado, desses que chutam a canela dos adultos, sob a complacência dos pais.

Penso o quanto deve ser difícil para aquela família branca obter a inclusão de seu filho negro num mundo ainda tão escravo dos preconceitos. Deve ser uma tarefa árdua, ter que provar o tempo todo que o amor não tem cor, credo, sexo, idade nem condição social. Ao dizer ao neto como se portar em público, aquela avó desempenhava seu papel de educadora e, certamente, não teria chamado a atenção se seus traços étnicos coincidissem com os da criança.


Perdida nessas reflexões e já acomodada numa mesa próxima, nem vi quando a mãe do menino retornou com a refeição. Quando me dei conta, o guri já devorava um prato de massa, sob os olhares enternecidos da mãe e da avó, indiferente ao burburinho em redor. Penso nos meus netos, mestiços de pele clara, bem diferentes de mim e do meu marido. O mais novo tem os cabelos bem claros, embora o nariz chato sinalize o sangue negro que lhe corre nas veias. Perdi a conta das vezes em que me tomaram por babá deles...


Em meio a essas reflexões, lembro agora de um episódio, três décadas atrás, quando minha filha nasceu, na Maternidade do Iperba, em Brotas. Com a pele bem clara, nariz pequeno e afilado, olhos repuxados e cabelo liso bem preto, parecia uma chinesinha. Síndrome da mãe coruja à parte, ela era um bebê bonito. Tanto que chamou a atenção de uma mulher que visitava outra paciente. Depois de olhar para a recém-nascida e para mim, a criatura disparou: "É sua filha, é? Que gracinha... Não tem nada de você, deve parecer com o pai, né?...".


Guardadas as proporções, é quando menos esperamos que o preconceito aflora em nós, pretos e brancos. Somos escravos do preconceito! Mas não custa sonhar. Talvez um dia, num futuro não muito distante, o sonho de liberdade do pastor e ativista político norte-americano Martin Luther King (1929-1968) venha a se tornar realidade: o dia em que negros e brancos não serão julgados pela cor da pele, mas pela essência do seu caráter. E que crianças negras adotadas por famílias brancas, assim como meninos de pele clara nascidos em famílias negras possam alcançar a inclusão social sem traumas, nem reações de estranheza.


Fonte:http://mateusbrandodesouza.blogspot.com.br/2012/01/escravos-do-preconceito-criancas-negras.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um espaço verdadeiramente democrático , não limitamos e restringimos qualquer tipo de expressão , não toleramos racismo preconceito ou qualquer outro tipo de discriminação..Obrigado Claudio Vitorino

Claudio Vitorino em ação..

Postagens populares

Google+ Followers

Arquivo do blog

Claudio Vitorino em ação..

Aquele que acredita que o interesse coletivo está acima do interesse individual , que acredita que tudo e possível desde que tenha fé em Deus e coragem para superar os desafios...

Vida difícil? Ajude um estranho .

Pode parecer ilógico -no mínimo pouco prioritário- ajudar um estranho quando as coisas parecem confusas na nossa vida. Mas eu venho aprendendo que este é um poderoso antídoto para os dias em que tudo parece fora do lugar.

Como assim, pergunta o meu leitor mais cético? E eu explico:
Há duas situações clássicas onde podemos auxiliar uma pessoa que não conhecemos. A primeira é através de doações e gestos similares de caridade. Estes atos são maravilhosos e muito recomendáveis, mas não é deles que quero falar hoje.


Escolhi o segundo tipo: aquelas situações randômicas onde temos a oportunidade de fazer a diferença para uma pessoa desconhecida numa emergência qualquer. Na maioria das vezes, pessoas com quem esbarramos em locais públicos, envolvidas em situações que podem ir do estar atrapalhado até o precisar de mãos para apagar um incêndio.

E o que nós, imersos nas nossas próprias mazelas, distraídos por preocupações sem fim amontoadas no nosso tempo escasso, enfim, assoberbados como sempre... O que nós temos a ver com este ser humano que pode ser bom ou mau, pior, pode sequer apreciar ou reconhecer nosso esforço?


Eu vejo pelo menos seis motivos para ajudar um estranho:


1) Divergir o olhar de nossos próprios problemas
Por um momento, por menor que seja, teremos a chance de esquecer nossas preocupações.
Dedicados a resolver o problema do outro (SEMPRE mais fácil do que os nossos), descansamos nossa mente. Ganhamos energia para o próximo round de nossa própria luta.
Esta pausa pode nos dar novo fôlego ou simplesmente ser um descanso momentâneo.


2) Olhar por um outro ângulo
Vez ou outra, teremos a oportunidade de relativizar nossos próprios problemas á luz do que encontramos nestes momento. Afinal, alguns de nossos problemas não são tão grandes assim...
Uma vez ajudei Teresa, a senhora que vende balas na porta da escola de meu filho. A situação dela era impossível de ser resolvida sozinha, pois precisava “estacionar” o carrinho que havia quebrado no meio de uma rua deserta. Jamais esquecerei o olhar desesperado, a preocupação com o patrimônio em risco, com o dia de by Savings Sidekick">trabalho desperdiçado, com as providências inevitáveis e caras. E jamais me esquecerei do olhar úmido e agradecido, apesar de eu jamais ter comprado nada dela. Nem antes nem depois.
Olhei com distanciamento o problema de Teresa. E fiquei grata por não ter que trabalhar na rua, por ter tantos recursos e by Savings Sidekick">oportunidades. E agradeci por estar lá, naquela hora, na rua de pouco movimento, e poder oferecer meus braços para ela.


3) Não há antes, nem depois ...
Na intricada teia de nossos by Savings Sidekick">relacionamentos, dívidas e depósitos se amontoam. Ajudar um conhecido muitas vezes cria vínculos ou situações complexas. Ás vezes, ele espera retribuir. Outras vezes, esperamos retribuição. Se temos ressentimentos com a pessoa, ajudá-la nem sempre deixa um gosto bom na boca. Se ela tem ressentimentos conosco, fica tudo muito ruim também.
Já com estranhos são simples. É ali, naquela hora. Depois acabou. E não há antes. Que alívio!
(mas não vamos deixar de ajudar os conhecidos dentro de nossas possibilidades, hein?)


4) A gratidão pelo inesperado é deliciosa
Quem se lembra de uma vez em que recebeu uma gentileza inesperada? Não é especial? E nem sempre estamos merecendo, mal-humorados por conta do revés em questão.
Ou quando ajudamos alguém e recebemos aquele olhar espantado e feliz?
Ontem mesmo, eu estava numa fila comum de banco. Um senhor bem velhinho estava atrás de mim. Na hora em que fui chamada, pedi que ele fosse primeiro. “Mas por que, minha filha?”. “Pelos seus cabelos brancos”, respondi. Ele, agradecido, me deu uma balinha de hortelã. Tudo muito singelo, muito fácil de fazer, mas o sentimento foi boooom.


5) Quase sempre, é fácil de fazer.
Uma vez eu fiquei envolvida por uma semana com uma mãe e um bebê que vieram para São Paulo para uma cirurgia e não tinha ninguém para esperar no aeroporto. Levei para um hotel barato, acompanhei por uma semana e tive medo de estar sendo usada, reforçada pelo ceticismo de muitas pessoas ao meu redor. No final, deu tudo certo e a história era verdadeira.
Mas na maioria dos casos, não é preciso tanto risco ou tanto tempo. Uma informação; um abaixar para pegar algo que caiu; uma dica sobre um produto no supermercado. Dar o braço para um cego (nunca pegue a mão dele, deixe que ele pegue o seu braço, aprendi com meu experiente marido). Facílimo, diria o Léo. E vamos combinar, fácil é tudo que precisamos quando o dia está difícil, certo?

6) Amor, meu grande amor
Finalmente, ajudar estranhos evoca o nosso melhor eu. É comum termos sentimentos de inadequação, baixa auto-estima e insatisfação conosco quando estamos sob tempo nublado. E ajudar o outro nos lembra que somos bons e capazes. Ajudar um estranho demonstra desapego, generosidade, empatia pelo próximo. E saber que somos tudo isto quando o coração está cinza... É para olhar com orgulho no espelho, não?

Portanto, se hoje não é o seu dia... Faça o dia de alguém. E se é um dia glorioso... Vai ficar melhor!

Fonte:http://www.vivermaissimples.com/2011/03/vida-dificil-ajude-um-estranho.html

Karoline Toledo Pinto

Karoline Toledo Pinto
Karoline Agente Penitenciária a quase 10 anos , bacharelada no curso de Psicologia em uma das melhores Instituição de Ensino Superior do País , publica um importante ARTIGO SOBRE AS DOENÇAS QUE OS AGENTES PENITENCIÁRIOS DESENVOLVEM NO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES . Aguardem em breve aqui será publicado .APESAR DAS PERSEGUIÇÕES INFUNDADAS DAS AMEAÇAS ELA VENCEU PARABÉNS KAROL SE LIBERTOU DO NOSSO MAIOR MEDO A IGNORÂNCIA CONTE COMIGO.. OBRIGADO CLAUDIO VITORINO

Filmes que mudarão sua vida..

  • A cor púrpora
  • A espera de um milagre
  • A procura da felicidade
  • A prova de fogo
  • Antes de partir
  • Desafiando gigantes
  • Ensina-me a viver
  • Paixão de Cristo

Postagens populares