Playlist

Playlist

Playlist

terça-feira, 30 de abril de 2013

PERTO DE MORRER, UM HOMEM FEZ 3 PEDIDOS



1) Que seu caixão fosse carregado pelos melhores médicos da época.



2) Que os tesouros que tinha, fossem espalhados pelo caminho até seu tumulo.



3) Que suas mãos ficassem no ar, fora do tumulo e a vista de todos.

Alguém surpreso perguntou: Quais são os motivos?
Ele respondeu:




1) Eu quero que os melhores médicos carreguem meu caixão, para mostrar que eles não têm o poder de curar na face da morte.


2) Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros, para que todos possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui ficam.


3) Eu quero que minhas mãos fiquem para fora do caixão, de modo que as pessoas possam ver que viemos com as mãos vazias, e saímos de mãos vazias, para morrer você não leva nada material ...

"TEMPO" é o tesouro mais precioso que temos, nós podemos produzir mais dinheiro, mas não mais tempo ...!

O melhor presente que você pode dar a alguém é o seu tempo! Dedique mais do seu tempo para Deus...




Fonte:http://proliveiradejesus.blogspot.com.br/2013/03/perto-de-morrer-um-homem-fez-3-pedidos.html

Maia propõe mais uma PEC contra o Supremo

Maia propõe mais uma PEC contra o Supremo

Na onda contrária dos que trabalham para abafar a crise entre o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Congresso, o ex-presidente da Câmara Marco Maia (PT-RS) anunciou ontem que começou a coletar assinaturas para apresentar uma proposta de emenda constitucional (PEC) com o objetivo de proibir ministros da Corte de tomar decisões liminares que suspendem atos do Legislativo. Maia disse que os ministros interferem no parlamento por liminar.
- Quem faz as leis, quem toma as decisões aqui é o parlamento, que foi eleito para isso - disse.
Ele falou da decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF, que sustou a tramitação do projeto que cria dificuldades para o acesso de novos partidos ao Fundo Partidário e ao tempo de TV. Maia disse que o STF não esperou que o debate fosse feito.
- Cito aqui o caso da semana passada, de uma matéria que ainda estava em debate nessa Casa, que não tinha sido concluída, mas uma decisão do STF, tomada de forma monocrática, sustou o debate. 



Fonte:http://www.senado.gov.br/noticias/senadonamidia/noticia.asp?n=831492&t=1

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Carlinhos Cachoeira é preso por dirigir embriagado em Anápolis (GO)



Os repórteres do programa Domingo Espetacular flagraram com exclusividade a prisão do empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, na madrugada deste domingo (28) em Anápolis (GO).

O ex-bicheiro, que estava acompanhado da mulher e de um casal de amigos, foi parado por uma blitz da Lei Seca na BR-060 e, apesar de demonstrar embriaguez, se recusou a fazer o teste do bafômetro.

De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Rodoviária Federal, Cachoeira, que tentou esconder o rosto ao ver a equipe do Domingo Espetacular, apresentava hálito etílico.

Na delegacia, ele foi autuado por dirigir embriagado, teve apreendida a sua carteira de habilitação e só foi liberado após pagar fiança de R$ 22 mil. Cachoeira contou à polícia que tinha saído de um show do Cantor Gusttavo Lima antes de parar no bloqueio.

Carlinhos Cachoeira já foi condenado a trinta e nove anos de prisão pelos crimes de peculato, corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha. Porém, ele recorreu e aguarda a decisão da justiça em liberdade.





Nota : O cara já teve diversas condenações e não foi preso e nem se quer passou um dia na cadeia . VOCÊS ACHAM QUE ISSO VAI DAR EM ALGUMA COISA . PREDERAM A CARTEIRA DELE O CARA TEM DINHEIRO DE MAIS VOCÊS ACHAM QUE ELE VAI ANDAR DE ÔNIBUS E BRASIL E SE FOSSE UM CIDADÃO COMUM SEM DINHEIRO CONDIÇÕES SERIA EXPOSTO COLOCADO COMO MARGINAL ....

domingo, 28 de abril de 2013

O que é Ansiedade?


O que é Ansiedade?


O termo "ansiedade" tem várias definições nos dicionários não técnicos: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, entre outros.

Levando-se em conta o aspecto técnico, devemos entender ansiedade como um fenômeno que ora nos beneficia, ora nos prejudica, dependendo das circunstâncias ou intensidade, e que tornar-se patológico, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações.

Causas


Os transtornos de ansiedade são doenças relacionadas ao funcionamento do corpo e às experiências de vida.

A pessoa pode se sentir ansiosa a maior parte do tempo sem nenhuma razão aparente ou pode ter ansiedade apenas às vezes, mas tão intensamente que se sentirá imobilizada. A sensação de ansiedade pode ser tão desconfortável que, para evitá-la, as pessoas deixam de fazer coisas simples (como usar o elevador) por causa do desconforto que sentem.



Sintomas de Ansiedade


Os transtornos da ansiedade têm sintomas muito mais intensos do que aquela ansiedade normal do dia a dia. Eles aparecem como:
Preocupações, tensões ou medos exagerados (a pessoa não consegue relaxar)
Sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer
Preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho
Medo extremo de algum objeto ou situação em particular
Medo exagerado de ser humilhado publicamente
Falta de controle sobre pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade
Pavor depois de uma situação muito difícil.

Tratamento de Ansiedade


Existem três tipos de tratamento para os transtornos de ansiedade:
Medicamentos (sempre com acompanhamento e receita médica)
Psicoterapia com psicólogo ou médico psiquiatra
Combinação dos dois tratamentos (medicamentos e psicoterapia).

A maior parte das pessoas com ansiedade começa a se sentir melhor e retoma as suas atividades depois de algumas semanas de tratamento. Por isso, é importante procurar ajuda especializada na unidade de saúde mais próxima. O diagnóstico precoce e preciso da ansiedade, o tratamento eficaz e o acompanhamento por um prazo longo são imprescindíveis para obter melhores resultados e menores prejuízos. 


Fonte:http://minhavida.uol.com.br/saude/temas/ansiedade#.UX2wgkop9cM




Consumo de álcool por vias anal e vaginal preocupa médicos

 
 Além de consumir bebida via anal, vários jovens no mundo têm assustado pais e médicos com métodos nada convencionais de se embriagar. Nos Estados Unidos e Europa, vídeos se espalharam na internet com adolescentes pingando vodca nos olhos, método chamado por eles de "vodka eyeballing". Meninas que encharcam absorventes internos de álcool e os colocam na vagina também tem parecido uma prática difundida, além de beberem álcool em gel.

Segundo a Dra. Zila Van Der Meer Sanchez, pesquisadora do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), da Unifesp, os adolescentes que chegam aos prontos-socorros alcoolizados usam menos destas práticas no Brasil do que em outros países, apesar de casos terem sido registrados.

“Os riscos para quem consome álcool desta maneira são exatamente os mesmos de métodos convencionais. O que conta é a quantidade de álcool ingerida, porque independente de onde for, o corpo vai absorver do mesmo jeito”, explicou ao Terra.

O clínico geral do Hospital das Clínicas, Dr. Arnaldo Lichtenstein, também alerta para o uso cada vez maior de álcool. “O grande problema é o uso abusivo do álcool, independente da via”.

No entanto, além do comportamento extremamente invasivo ao corpo, o ânus, por exemplo, tem mais terminações nervosas e mucosas mais expostas, o que causa uma absorção mais rápida e compromete a percepção da quantidade ingerida.

“Se for tomando de pouquinho em pouquinho, a pessoa vai sentindo e consegue identificar mais fácil a hora de parar. Mas, mesmo assim, depois de parar ainda há uma grande quantidade de álcool no estômago para ser metabolizado e, neste ponto é comum as pessoas passarem mal, vomitarem e colocarem para fora o que ainda não foi absorvido. No entanto, nestes casos de consumo por outras vias, a substância vai ficar ali até ser completamente absorvida”, informou.

Além do estômago e intestino, o álcool é mais rapidamente absorvido pelas mucosas do corpo, desde a boca até o ânus e a vagina. “A absorção é muito grande pelas mucosas. Se você bebe uma taça de vinho e demora uma hora ou duas para ser processado, o consumo pela mucosa leva minutos”, explicou o Dr. Arnaldo Lichtenstein.

“O problema é que o álcool é irritante. Do mesmo modo que irrita o estômago, vai irritar o olho e causar uma conjuntivite, no ânus e na vagina vai acontecer a mesma coisa e pode gerar problema sérios a curto, médio e longo prazo”, esclareceu o clínico do HC.

Os adolescentes que bebem álcool em gel podem ter reflexos no fígado. “Você vai sobrecarregar seu fígado com as substâncias que têm no produto, além do álcool. Pode intoxicar e vai retardar o metabolismo”, informou a Dra. Zila Van Der Meer.

Vale ainda esclarecer que a exceção é pingar bebida no olho, prática que não tem efeito nenhum. “Esta história de pingar nos olhos, teria que ser um caminhão de álcool para deixar bêbado. Nesta região não tem nenhuma relação fazer isto”, comentou a especialista.

Em relação ao consumo via anal, ela esclareceu ainda: “pode dar uma concepção de violência sexual. Vai além do álcool, pode ter caráter de uma agressão sexual”.

O Dr. Arnaldo Lichtenstein ressaltou que a procura pelo prazer sexual também vem junto nestas práticas. “Isto é a busca pelo prazer mais rápido que está sendo misturado com sexualidade. São duas grandes sensações de busca de prazer”, explicou .

Ele alertou ainda que estas práticas não muito comuns acontecem há bastante tempo, mas o que mais preocupa é a quantidade exagerada de álcool que tem sido colocado em questão. “Esta busca desenfreada por sensações de euforia e anestesia é muito preocupante. Alguns pacientes falam em anestesia e usam estes meios mais rápidos para conseguir não só a desinibição que o álcool produz”, concluiu.



Fonte:http://anjoseguerreiros.blogspot.com.br/2013/04/consumo-de-alcool-por-vias-anal-e.html

Fórum Mundial de Ciências 2013





Desisti de ser professor do Estado



sala-de-aulaHoje tive o dia mais triste como professor. Não estou me referindo a nenhuma indisciplina ou necessariamente a
baixo rendimento escolar de meus alunos.

SOLICITEI A MINHA DISPENSA NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS e fui surpreendido pelos meus alunos.

Como sou muito exigente, muitas vezes coloco fardos pesados sobre meus alunos. Acreditava que a minha saída na transição dos bimestres seria encarada apenas como mais uma das tantas mudanças corriqueiras que ocorrem na Escola.

Estava enganado. Fui surpreendido pelo choro mais desolador que já vi em toda a minha vida. Minha maior tristeza foi pensar que eu poderia ser responsável por esse choro.

Jamais pensei que meus ALUNOS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS fossem chorar por minha saída.

Preocupado com o que eu diria paraeles como motivo, preferi a verdade. ESTOU SAINDO PORQUE NÃO CONSIGO ME SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS. Como são crianças, muitas não entenderam o que eu queria dizer e me responderam novamente com o choro mais desolador que já vi ou causei em toda a
minha vida.

“PROFESSOR NÃO NOS ABANDONE”!

A criança não entende a opção que nós professores fazemos quando abandonamos a sala de aula. Uma de minhas alunas gritou: “Vou me mudar para a escola onde o senhor vai continuar como professor”. Nessa hora engasguei o choro e me perguntei como poderia ser isso? Se a maioria de nós no Brasil e na REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS não dispomos de recursos para bancar o ensino privado.

Algumas crianças se puseram na porta e tentavam impedir minha saída, sem palavras e assustado com o choro e
o pedido de que não as “abandonasse”, restou-me recolher na solidão de meu objetivo racional e deixar a sala com crianças chorosas como nunca vi a se despedirem com o olhar que jamais esquecerei, do professor que NÃO CONSEGUIU SE SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS.

Eu poderia recolher-me na vaidade, em pensar que sou um bom professor e que vou conseguir o melhor para mim.

Entretanto, sei que hoje a exemplo do que ocorreu comigo, DEZENAS DE OUTROS PROFESSORES DEIXARAM A REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS POR NÃO CONSEGUIREM SE SUSTENTAR, ASSIM COMO TAMBÉM DEZENAS DE CRIANÇAS CHORARAM AO SE DESPEDIREM DE SEUS PROFESSORES.

Resta-me na revolta implorar a todos os mineiros e brasileiros que lerem essa carta.

PELO AMOR DE DEUS! NÃOACREDITEM NA EDUCAÇÃO FAZ DE CONTA DO GOVERNO DE MINAS GERAIS. O ESTADO FAZ DE CONTA QUE REMUNERA SEUS PROFESSORES, PROFESSORES INFELIZMENTE FAZEM DE CONTA QUE ENSINAM, ALUNOS FAZEM DE CONTA QUE APRENDEM E ATORES GLOBAIS FAZEM DE CONTA QUE FALAM DA MELHOR EDUCAÇÃO DO PAÍS.

O episódio dessa carta ocorreu NO DIA 18 DE ABRIL DE 2013 NA ESCOLA ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO EM BELO HORIZONTE. Infelizmente ocorreu também em dezenas de Escolas do Estado de Minas Gerais.

ENQUANTO O GOVERNO DE MINAS PAGA MILHARES DE REIAIS A ATORES GLOBAIS PARA MENTIREM SOBRE A EDUCAÇÃO NO HORÁRIO NOBRE, NOSSAS CRIANÇAS CHORAM OS SEUS PROFESSORES QUE ESTÃO SAINDO PORQUE NÃO CONSEGUEM MAIS SE SUSTENTAR NO ESTADO.

Prof. Juvenal Lima Gomes
EX-PROFESSOR DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS 




Fonte:http://www.geledes.org.br/areas-de-atuacao/educacao/noticias-de-educacao/18277-desisti-de-ser-professor-do-estado

quinta-feira, 25 de abril de 2013

Planejamento urbano deve considerar infraestrutura verde

A incorporação da infraestrutura verde — rede de espaços naturais ou construídos que desempenham serviços ambientais — ao planejamento urbano pode trazer uma série de benefícios a cidades como São Paulo, entre eles controle de alagamentos, criação de áreas de lazer para a população e melhoramento microclimático das regiões metropolitanas. Com esses objetivos, o urbanista Renier Marcos Rotermund desenvolveu uma proposta de planejamento da Floresta Urbana — conjunto de árvores e vegetação presentes no ambiente urbano — para a bacia do córrego Judas / Maria Joaquina, na região de Santo Amaro, zona sul de São Paulo. O mestrado Análise e planejamento da Floresta Urbana enquanto elemento da Infraestrutura Verde: estudo aplicado à Bacia do Córrego Judas / Maria Joaquina, São Paulo foi desenvolvido na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP.


Também foi realizada uma análise pontual do sistema viário da região, “para verificar sua relação com a cobertura arbórea, se existe espaço para mais arborização nessas vias, se esse aspecto pode ser melhorado e como pode se relacionar melhor com as funções da vida urbana — mobilidade de carros, pessoas e demais usos da via pública”, detalha Rotermund.“O trabalho procurou analisar a vegetação e seu papel na área da bacia do córrego Judas, e como a cobertura de árvores poderia ajudar no melhoramento ambiental dessa bacia”, diz o pesquisador. O planejamento foi antecedido pela análise da cobertura arbórea e outros elementos da bacia a partir da observação de imagens de satélite e análise em campo. O espaço foi dividido em setores, de acordo com o uso e ocupação do solo — residencial, misto de residências e comércio, área industrial, etc. “A análise se deu para determinar como se relacionavam esses espaços e, a partir disso, determinar políticas de manejo dessa cobertura arbórea em cada um desses setores”, conta.

Bacia do córrego Judas
Embora a região conte com uma cobertura arbórea próxima a 30%, o que, segundo o pesquisador é algo encontrado em poucos pontos da cidade, quando se analisa separadamente cada setor, percebe-se que a distribuição dessa vegetação é desigual. O urbanista esclarece: “Há uma área de parques, que contribui com uma cobertura muito grande. As zonas exclusivamente residenciais, com residências de alto padrão, também têm uma vegetação arbórea bastante desenvolvida. Mas o setor industrial e a zona mista (comércio e residências) não possuem”.

Por esse motivo, cada setor foi trabalhado de maneira diferenciada no planejamento da infraestrutura verde. “Naqueles que têm uma cobertura arbórea bastante desenvolvida, o trabalho é principalmente de conservação. Ao passo que nos setores onde se tem uma cobertura menor, como o industrial, que está se transformando, o objetivo é fazer com que ela possa se desenvolver melhor”, diz Rotermund. O plano também mostrou ser possível melhorar a arborização mesmo em vias bastante estreitas, onde aparentemente não há possibilidade de plantio. “Há a possibilidade de se ter mais árvores e com melhor qualidade, associadas inclusive a outras questões ambientais, como a drenagem”, completa.

A drenagem foi, além do aumento das áreas verdes, um aspecto de grande importância para o trabalho. Entre as propostas está, inclusive, a descanalização de alguns trechos do córrego, o que possibilitaria a criação de novas áreas verdes para lazer da população, além de contribuir para minimizar problemas de enchentes e promover a melhora da qualidade da água do rio. O planejamento também inclui a interligação das áreas verdes dentro da bacia possibilitando não apenas o deslocamento dos habitantes entre elas, mas a preservação da biodiverdidade local.

Para o urbanista, no entanto, o grande desafio para que planos de infraestrutura verde sejam colocados em prática é a incorporação do conceitopelo poder público, ao planejamento urbano, unindo-a aos demais aspectos da urbanização, como a construção de vias públicas. “É preciso permear todas as áreas com a arborização. É claro que não se conseguirá fazer isso da mesma maneira, mas as áreas verdes e a arborização tem uma função muito importante, fazem parte efetivamente da infraestrutura da cidade. Sem elas, tem-se prejuízos ambientais imensos”.

São Paulo ganhará quatro centrais de reciclagem de lixo

Até junho do ano que vem, a Prefeitura pretende colocar em funcionamento duas megacentrais de triagem de material reciclável. Outras duas devem ficar prontas em 2016. A previsão é de que cada equipamento tenha capacidade para processar 250 toneladas de lixo por dia. A quantidade é um pouco maior do que as 240 toneladas que são processadas diariamente nas 20 centrais espalhadas pela capital. Para viabilizar o projeto, a Secretaria Municipal de Serviços firmou um acordo com as duas empresas que fazem a coleta de lixo. O contrato que a Loga e a Ecourbis têm com a Prefeitura já previa que elas construíssem mais 17 pequenas centrais.

A proposta do governo foi trocá-las por quatro unidades maiores. As primeiras duas unidades ficarão em Santo Amaro, na zona sul, e no Bom Retiro, no centro. As outras megacentrais ficarão em São Mateus, zona leste, e na Vila Guilherme, zona norte.

O secretário de Serviços, Simão Pedro, acredita que a mudança pode ajudar o governo a atingir a meta proposta pelo prefeito Fernando Haddad (PT) de aumentar de 1,8% para 10% a quantidade de lixo reciclado no Município. "Para atingir a meta, vamos ter de ampliar o serviço e a velocidade da coleta", afirma o secretário. "Hoje, dos 96 distritos, só 72 têm coleta seletiva. Temos de levar a todo o Município."

Críticas



Embora seja necessário aumentar a porcentagem de lixo reciclado na capital, a construção de centrais de triagem muito grandes podem causar prejuízos, segundo o presidente do Instituto Brasil Ambiente, Sabetai Calderoni, que é consultor da ONU para gestão de resíduos sólidos. "A iniciativa é muito boa, mas o ideal é descentralizar o tratamento do lixo para evitar o custo de deslocamentos pela cidade."



Calderoni afirma que, em geral, um terço de tudo o que se gasta com a gestão do lixo vai para o transporte do material. "Uma central capaz de tratar 250 toneladas por lixo por dia é muito grande. É praticamente o que produz uma cidade de médio porte, com cerca de 300 mil habitantes. O mais indicado é ter pequenas centrais. Por seu tamanho, São Paulo poderia ter centenas delas."



Custo. As novas centrais devem custar cerca de R$ 6 milhões, além de ter despesa mensal de manutenção de R$ 300 mil, segundo Pedro. Por outro lado, a venda do material reciclado pode render até R$ 2 milhões por mês, segundo cálculos da secretaria. "Esse valor deve ser dividido para todo o sistema de coleta, não só para a cooperativa que operar a central." Cada equipamento seria destinado a uma cooperativa de catadores de material reciclável, mas a renda pode ser dividida. Cinco cooperativas aguardam autorização da Prefeitura para trabalhar. Além das quatro megacentrais, a Secretaria de Serviços estuda a construção de nove unidades menores. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

A CULTURA DA DESOBEDIÊNCIA



Pesquisa divulgada nesta semana pela Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas evidencia, com percentuais, o que já se sabia pela prática: a maioria dos brasileiros considera fácil desobedecer às leis e vê com naturalidade o chamado “jeitinho”, que permite burlar normas, enganar autoridades e levar vantagem individual mesmo quando isso causa prejuízos à coletividade. A percepção das pessoas em relação a esses temas é preo-cupante: dos 3,3 mil entrevistados em oito Estados, 82% reconhecem facilidade em descumprir as leis no Brasil, 79% acreditam que todos usam algum tipo de subterfúgio para desobedecer a regras legais e 54% veem poucas razões para esta obediência.

Uma das curiosidades do levantamento relaciona-se à impunidade. É elevado o percentual de brasileiros que temem ser punidos por delitos como pequenos roubos e infrações de trânsito, mas estas mesmas pessoas consideram tolerável fazer barulho capaz de incomodar os vizinhos, fumar em local não permitido, jogar lixo na rua ou comprar produtos piratas. O ideal é que todos esses comportamentos fossem repudiados pela maioria da população, pois grandes crimes e tragédias invariavelmente têm na sua origem descasos e omissões com coisas que aparentam ter pouca importância.

Vale lembrar, por exemplo, que o incêndio da boate Kiss, em Santa Maria, foi o resultado de um conjunto de inépcias e descuidos com recomendações técnicas que existem exatamente para prevenir dissabores, somados à ganância e à irresponsabilidade de quem colocou seus interesses acima do bem público. Existe no país uma cultura da irresponsabilidade, pela qual as pessoas, das autoridades aos cidadãos, costumam adiar decisões, transferir atribuições, fingir que não é com elas.

Precisamos, decididamente, de uma revolução cultural, para que cada cidadão assuma a sua parcela de obrigações. Nossa Constituição e nossos códigos preveem muitos direitos e poucos deveres. E a população habituou-se a tolerar o desleixo, a conformar-se com pequenos desvios, a considerar normal o descumprimento de normas e convenções. Essa tolerância, além de se transformar em salvo-conduto para a impunidade, acaba também estimulando comportamentos pouco civilizados e até mesmo delituosos. É este o ambiente retratado pela pesquisa recém-divulgada: os brasileiros se reconhecem como protagonistas das pequenas infrações, mas acreditam que a corrupção é praticada apenas pelos ocupantes do poder. Aí está o grande equívoco: o padrão ético de um país é sempre resultado do comportamento de cada indivíduo. E, quando a maioria dos cidadãos convive pacificamente com a irresponsabilidade, não há jeitinho que resolva.


COMENTÁRIO DO BENGOCHEA - Não esqueço de alertar: onde não há justiça, aparecem os rebeldes, bandidos e justiceiros. Onde não há lei nem ordem, os oportunistas se aproveitam acobertados pela impunidade. A justiça brasileira não é coativa, as leis são brandas e o sistema não funciona, o que garante a disseminação da "cultura da desobediência" e do "jogo de empurra".



Fonte:http://ordemeliberdadebrasil.blogspot.com.br/2013/04/a-cultura-da-desobediencia.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+OrdemELiberdadeBrasil+%28%3Cb%3EORDEM+E+LIBERDADE+BRASIL%3C/b%3E%29

Pastora Suzane Richthofen é nomeada presidente da Comissão de Seguridade Social e Família.



Suzane Richthofen, personalidade brasileira que adquiriu seu status após decidir assassinar os próprios pais, parece ter dado outro rumo à sua existência. Presa desde 2002 em regime fechado na Penitenciária Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé (SP), Suzane acaba de se tornar pastora evangélica. Além do mais, devido à sua conduta impecável, logrou, junto à Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mudar o regime de fechado para semiaberto, quando é possível deixar o presídio durante o dia para trabalhar. E, de fato, conseguiu um trabalho junto a outros criminosos que laboram poucas horas por dia. Devido à intercessão do Deputado Marco Feliciano, Suzane foi compulsoriamente filiada ao PSC (Partido Social Cristão) e, de quebra, foi nomeada para a presidência da CSSF (Comissão de Seguridade Social e Família), mais uma entre as controversas Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados. 




DÁ PARA ACREDITAR ?????








Fonte:http://www.diariopernambucano.com.br/noticias/pastora-suzane-richthofen-e-nomeada-presidente-da-comissao-de-seguridade-social-e-familia/
Duas pessoas são pressas com baterias de telefonia

Dois homens foram presos suspeitos de terem furtado baterias usadas nas antenas de telefonia, na zona rural. Os produtos foram apreendidos e levados para a delegacia da Polícia Civil de Uberlândia na noite de terça-feira (23).

O material é usado em fazendas. Quando ocorre falta de energia um dispositivo é acionado e não deixa as antenas de telefonia celular sem eletricidade.

Estes dispositivos são visados por ladrões para usar em som de alta potência em automóveis, por isso há um grande número de furto destes materiais na cidade.

Um cabeamento que estava junto aos objetos também foi apreendido pelos militares.

O modismo do crime sempre se reinventando, não se perde tempo e nem criatividade para o mal, é brincadeira!

By Fabio Jackson

Amanhã, sexta-feira (26) é o último dia para tomar a vacina contra a gripe.

Quem ainda não tomou a vacina contra a gripe pode ser imunizado até sexta-feira (26), quando se encerra a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe. Os integrantes dos grupos prioritários podem ser imunizados em qualquer unidade da rede municipal de saúde, no hipermercado Carrefour, no Pratic Shopping/Terminal Central, na Sociedade Médica e no Uberlândia Shopping (veja lista de horários). No posto do Carrefour o horário de atendimento foi ampliado até às 22 horas.

“Avacina é a maneira mais eficaz para se proteger da doença e previne o vírus da Influenza A e mais dois tipos de gripes sazonais”, disse a coordenadora do Programa Municipal de Imunização, Maria Aparecida dos Santos. Podem ser vacinadas as pessoas com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a dois anos, indígenas, gestantes, mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério), profissionais de saúde e doentes crônicos.

Este ano a meta do governo é imunizar 31,3 milhões de pessoas em todo Brasil.
Grupos prioritários:
  • gestantes,
  • idosos com mais de 60 anos,
  • crianças entre 6 meses e 2 anos,
  • profissionais de saúde,
  • índios,
  • população carcerária
  • e doentes crônicos. 
De acordo com Maria Aparecida do Santos não podem ser vacinadas as pessoas com histórico de reação anafilática ou alergia severa a ovo de galinha e seus derivados e aquelas que apresentam reações anafiláticas graves a doses anteriores. Após a vacinação, pode surgir dor no local da aplicação, coceira e endurecimento de onde houve a aplicação. Geralmente, em 48 horas os sintomas desaparecem.

Com certeza é muito importante e válida essa ação do governo para com a população que carece de atenção na área da saúde em geral, participem pessoal!

By Fabio Jackson
Fonte: http://uipi.com.br/noticias/geral/2013/04/24/sexta-feira-26-e-o-ultimo-dia-para-tomar-a-vacina-contra-a-gripe/

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Mini curso elaboração de Projeto - XVIII CIÊNCIA VIVA 2013 -Uberlândia


XVIII CIÊNCIA VIVA – 2013

Tema: “Água, Molécula da Vida”




Minicurso sobre Elaboração de Projetos para a XVIII Ciência Viva



Segue a continuação do mini curso de elaboração de projetos.

Sábado, dia 27 de abril, das 9:00 h às 12:00 h, na Universidade Federal de Uberlândia, no Anfiteatro do Bloco 1X - Campus Santa Mônica, o Minicurso sobre Elaboração de Projetos para a XVIII Ciência Viva.
O minicurso é gratuito e voltado para os professores orientadores das equipes de estudantes que irão encaminhar projetos para participar da Ciência Viva.
O objetivo do minicurso vai além da discussão dos aspectos que devem ser considerados pelo professor orientador no desenvolvimento dos trabalhos pelos estudantes. Entendemos que ele se constitui em um espaço de formação continuada dos professores, capacitando-os a elaborar projetos com objetivos mais gerais, como por exemplo, solicitar financiamentos para a escola, inscrever-se em Programas de Pós-graduação, etc.
Serão emitidos certificados de participação aos professores que
participarem do minicurso.
MAIORES Informações com:
Prof. Dr. Eduardo Kojy Takahashi
Coordenador da XVIII Ciência Viva
ektakahashi@ufu.br

A TV aberta do Brasil é uma vergonha mesmo!


644661_483079215097255_462527554_n
A TV aberta do Brasil é uma vergonha mesmo!

Essa GUERREIRA que tanto lutou na vida, e até ano passado estava fazendo filme pornô com a namorada. Seguiu o exemplo da mamãe, que também batalhou muito rebolando na vida e fazendo filme pornô!

Só pra lembrar, Sr. Fausto Silva: GUERREIROS são os motoristas de ônibus que me conduzem com segurança ao trabalho todos os dias. Confio neles sem nem ao menos conhecê-los. Enquanto eles estão trabalhando por um salário de merda no caos do trânsito brasileiro, você esta ai colocando lixo na TV.

GUERREIROS são os professores que lutam diariamente para tentar dar um ensino de qualidade nas escolas ganhando uma merreca, enquanto sugadores de cérebro como o Sr. enriquecem enchendo a cabecinha das nossas crianças com estrume em poucas horas de domingo.

GUERREIROS são aqueles que sentam a bunda na cadeira e estudam 10 horas por dia para concurso público, abdicando até mesmo da diversão nos finais de semana para não ganhar nem 2% do seu salário.

GUERREIROS são aqueles que acordam as 4:00 da manhã e pegam pesado no batente, voltam em um ônibus lotado e chega em casa as 20:00 horas.

GUERREIROS são aqueles que acordam e vão para dentro do LIXO, para conseguir algum material reciclável, para sustentar a família.

GUERREIRO são aqueles que vivem em ambientes sem a mínima condição de higiene e saúde, sonhando em ter a mesma vida mansa que o Sr., mais de 80% dos políticos brasileiros e outros mais. Mas que mesmo assim, buscam de forma digna driblar os caminhos difíceis da vida.

Aprenda que GUERREIRO não é qualquer idiota que você ou o Sr. Pedro Bial disseminam na TV aberta!



Fonte:http://universalmemes.com.br/a-tv-aberta-do-brasil-e-uma-vergonha-mesmo/

CRIANÇA BIRMANESA MUÇULMANA MAMA AO PEITO DE SUA MÃE .


CRIANÇA BIRMANESA MUÇULMANA MAMA AO PEITO DE SUA MÃE MORTA, mas quem se importa, três americanos foram mortos em Boston e o mundo inteiro soube disso. Milhares de pessoas são torturadas, massacradas e mortas todos os dias na Birmânia, Palestina, Iraque, Afeganistão, Paquistão e na Síria e todos sabemos por quem, bem, a maioria são vítimas muçulmanas e quem se importa? Apenas um exemplo, no Iraque desde 2003 até hoje, meio milhão de crianças iraquianas morreram. São 50,000 mil crianças por ano, são 137 crianças por dia, uma criança é morta a cada meia hora, mas você está preocupado(a)?
CRIANÇA BIRMANESA MUÇULMANA MAMA AO PEITO DE SUA MÃE MORTA, mas quem se importa, três americanos foram mortos em Boston e o mundo inteiro soube disso. Milhares de pessoas são torturadas, massacradas e mortas todos os dias na Birmânia, Palestina, Iraque, Afeganistão, Paquistão e na Síria e todos sabemos por quem, bem, a maioria são vítimas muçulmanas e quem se importa? Apenas um exemplo, no Iraque desde 2003 até hoje, meio milhão de crianças iraquianas morreram. São 50,000 mil crianças por ano, são 137 crianças por dia, uma criança é morta a cada meia hora, mas você está preocupado(a)?



Fonte:http://www.facebook.com/redeesgotodetelevisao/posts/566352080076854

segunda-feira, 22 de abril de 2013

VÍDEO PROIBIDO DE CIRCULAR NO BRASIL!!!





Por qual razão esse vídeo não se divulga esse vídeo no Brasil? Se fosse um vídeo de FUNK  ou um  de um cantor famoso, ou de um idiota qualquer fazendo graça , ou de outra qualquer coisa  teria mais de UM MILHÃO DE ACESSOS.  PENSEM NISSO APENAS PENSEM . Sua ignorância SUSTENTA O LUXO DE POUCOS NO PAÍS , COMO É FÁCIL MANOBRAR UMA MASSA QUE SE ILUDE COM QUESTÕES QUE NÃO CONTRIBUEM PARA O AVANÇO INTELECTUAL E SOCIAL NO PAIS..



Inclusão Social : Tudo Sobre






Algumas pessoas, ao nascerem, trazem consigo características diferentes daquelas que são o padrão ou o modelo imposto pela sociedade.


Em razão dessas diferenças, são discriminadas não só pelas pessoas, mas por estarem privadas, não tendo dignidade para viver.


Basta olharmos para os lados, nas ruas, lojas, shoppings, restaurantes, bares, igrejas, prédios, enfim, o mundo ao nosso redor, para vermos que não existem adaptações para auxiliá-las. Dessa forma, ficam prejudicadas quanto às questões de trabalho, de estudo, de locomoção, de lazer e esportes, das oportunidades de garantir uma vida digna e saudável.


São pessoas em cadeiras de roda, que não conseguem pegar um ônibus – em razão da ausência de rampas próprias nos mesmos; deficientes visuais que não conseguem frequentar um elevador, restaurante ou supermercado, em face da falta da leitura em braile – mundialmente própria para eles; surdos/mudos que não podem frequentar escolas porque os professores não dominam a linguagem de libras – feita com as mãos; dentre vários outros casos corriqueiros.


Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) a quantidade de pessoas deficientes chega a 500 milhões em todo o mundo, no Brasil somam 25 milhões.


Além desses, existem também outras pessoas que são excluídas socialmente. Os negros e pardos não encontram as mesmas oportunidades na vida, os idosos são desrespeitados e não recebem aposentadorias justas, os desfavorecidos economicamente também sofrem muitos tipos de discriminação.


Precisamos nos conscientizar de que todas essas pessoas merecem respeito e consideração, fazem jus às mesmas oportunidades para viver. As diferenças só acrescentam valores humanos para o mundo e nos fazem crescer. Conviver com as mesmas e defender os interesses dos que precisam é uma forma de demonstrar que as aceitamos, afinal, o mundo seria muito sem graça e a vida muito cansativa, se todos fossem iguais.


Por Jussara Barros


http://www.mundoeducacao.com.br/educacao/inclusao-social.htm

Inclusão Social


É difícil pensarmos que pessoas são excluídas do meio social em razão das características físicas que possuem, como cor da pele, cor dos olhos, altura, peso e formação física. Já nascemos com essas características e não podemos, de certa forma, ser culpados por tê-las.
A inclusão está ligada a todas as pessoas que não têm as mesmas oportunidades dentro da sociedade. Mas os excluídos socialmente são também os que não possuem condições financeiras dentro dos padrões impostos pela sociedade, além dos idosos, os negros e os portadores de deficiências físicas, como cadeirantes, deficientes visuais, auditivos e mentais. Existem as leis específicas para cada área, como a das cotas de vagas nas universidades, em relação aos negros, e as que tratam da inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho.
O mundo sempre esteve fechado para mudanças, em relação a essas pessoas, porém, a partir de 1981, a ONU (Organização das Nações Unidas) criou um decreto tornando tal ano como o Ano Internacional das Pessoas Portadoras de Deficiências (AIPPD), época em que passou-se a perceber que as pessoas portadoras de alguma necessidade especial eram também merecedoras dos mesmos direitos que os outros cidadãos.

As diferenças enriquecem a vida de todos
A princípio, eles ganharam alguma liberdade através das rampas, que permitiram maior acesso às escolas, igrejas, bares e restaurantes, teatros, cinemas, meios de transporte, etc. Aos poucos, o mundo foi se remodelando para dar-lhes maiores oportunidades.
Hoje é comum vermos anúncios em jornais, de empresas contratando essas pessoas, sendo que de acordo com o número de funcionários da empresa, existe uma cota, uma quantidade de contratação exigida por lei. Uma empresa com até 200 funcionários deve ter em seu quadro 2% de portadores de deficiência (ou reabilitados pela Previdência Social); as empresas de 201 a 500 empregados, 3%; as empresas com 501 a 1.000 empregados, 4%; e mais de 1.000 empregados, 5%.
Nossa cultura tem uma experiência ainda pequena em relação à inclusão social, com pessoas que ainda criticam a igualdade de direitos e não querem cooperar com aqueles que fogem dos padrões de normalidade estabelecido por um grupo que é maioria. E diante dos olhos deles, também somos diferentes.
E é bom lembrar que as diferenças se fazem iguais quando essas pessoas são colocadas em um grupo que as aceite, pois nos acrescentam valores morais e de respeito ao próximo, com todos tendo os mesmos direitos e recebendo as mesmas oportunidades diante da vida.

Ex-detentos trabalham em obras da Copa



Até abril, São Paulo, Brasília, Cuiabá, Salvador, Fortaleza, Rio Grande do Norte e Belo Horizonte empregam detentos e egressos nas obras para o Mundial



As obras de infraestrutura e de estádios da Copa do Mundo de 2014 empregam detentos, egressos do sistema penitenciário e resgatados de situações análogas ao trabalho escravo. Segundo último balanço, sete cidades-sede já cumprem acordo para que, nos empreendimentos com mais de 20 operários, 5% dos postos de trabalho sejam reservados para detentos, ex-detentos, cumpridores de penas alternativas e adolescentes em conflito com a lei.


Até abril, São Paulo, Brasília, Cuiabá, Salvador, Fortaleza, Rio Grande do Norte e Belo Horizonte empregam detentos e egressos nas obras para o Mundial.A parceria, que deve ser seguida por todas as cidades-sede, é uma das ações do Programa Começar de Novo, instituído pelo Conselho Nacional de Justiça em outubro de 2009, com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a importância da oferta de oportunidades de capacitação profissional e de trabalho na prevenção da reincidência criminal.

As obras da Arena Pantanal, em Cuiabá, têm encontrado nesses grupos de trabalhadores solução para a falta de trabalhadores no estado. Na construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, trabalham sete detentos, que contam como o trabalho representou uma mudança significativa em suas perspectivas de futuro.

"Minha vida antigamente era nove e hoje já é quase 100. Hoje estou trabalhando, procuro o que é meu, suado. Por isso eu estou correndo atrás, para ver o meu futuro melhor", disse o detendo Jaydison Douglas.

Opinião semelhante tem Alessandro Silva, outro presidiário que atua no canteiro de obras em Brasília. "Para mim mudou muita coisa. Hoje, aos 28 anos, estou trabalhando pela primeira vez na vida. Vou abraçar a oportunidade e vamos até o final"

Essa sensação de acolhimento, segundo o conselheiro do CNJ Walter Nunes, é elemento fundamental para a segurança pública. "A expectativa que nós temos de futuro é reduzir sobremaneira a reincidência, na medida em que a gente cria redes sociais por intermédio da oferta de mercado de trabalho para essas pessoas. Assim, elas ingresssam nessas redes e saem da rede anterior, que era a da criminalidade", afirma.

A cada três dias trabalhados, os detentos diminuem um na pena e ainda recebem uma bolsa de um salário mínimo.

Fortaleza
No Castelão, em Fortaleza, trabalham 15 egressos do sistema penitenciário, com carteira assinada e direito a salário mínimo, férias, 13º salário e FGTS.Jorge Alves de Souza começou a trabalhar como servente na obra de reforma desde que teve direito ao regime aberto. Após sete meses empregado e quatro com carteira assinada, Jorge já contabiliza vitórias na vida pessoal. “Nesse tempo, eu me casei e comprei minha casa própria”, celebra.

O desafio da inclusão social no Brasil



Até há pouco tempo, o debate sobre a inclusão social, sobre combate à pobreza e à fome, era tema circunscrito e as iniciativas na área, praticamente exclusividade dos movimentos sociais. Felizmente, o cenário mudou porque o tema envolve as mais diferentes esferas governamentais e não-governamentais e, principalmente, é questão central e objeto de política pública do governo federal. Se antes a sociedade civil se organizava como podia para implementar, graças aos homens e mulheres de boa vontade desse país, ações de apoio à população carente, hoje contam com a coordenação do Estado que assume o compromisso de formulação de políticas para o setor e, democraticamente, busca na sociedade o apoio para formulação de parcerias estratégicas e duradouras.



Não há como ser diferente. A sociedade tem e sempre teve um papel fundamental nas conquistas sociais da nossa gente. A própria incorporação das políticas de inclusão social como prioridade de governo é resultado da mobilização e organização da sociedade que definiu sua opção pela promoção dos mais pobres e isso está expresso na Constituição Federal de 1988. Graças a isso, podemos construir hoje uma rede de proteção social com base em políticas normatizadas. A solidariedade social, historicamente, é anunciadora do bem comum. Entretanto, devemos ter sempre em vista que a parceria do Estado com a sociedade tem de apontar na linha de políticas públicas e buscar ações continuadas.



No Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, temos estabelecido o que chamamos de parcerias estratégicas e estruturantes, com o objetivo de implementar políticas emancipatórias, articuladas com desenvolvimento local, com programas de inclusão produtiva, de geração de trabalho e renda, de estímulo ao cooperativismo e tantas outras iniciativas que almejam a emancipação das pessoas. Na medida em que o Estado assume e estabelece as normas para implantação das políticas em parcerias com organizações governamentais e não governamentais, garante a continuidade de ações voltadas à inclusão e ao combate à desigualdade social. E estamos falando de direitos elementares da dignidade humana que não podem esperar ou depender exclusivamente da boa vontade das pessoas. Falamos de direito à alimentação, segurança alimentar e de condições para as crianças freqüentarem a escola e irem ao posto de saúde e ter acesso ao atendimento ao atendimento preventivo e curativo.



Cabe ainda a todos, Estado e sociedade, trabalharem em conjunto pensando na dimensão que assume a questão da inclusão nos dias de hoje. Que tipo de exclusão enfrentamos? A exclusão econômica e social deve ser compreendida como a face mais conhecida de uma situação que tem outros desdobramentos – temos a exclusão cultural, do saber, o problema do desenraizamento, a quebra de vínculos familiares e comunitários, a perda de referências a partir da quebra de um paradigma social. Compreender essa multiplicidade do problema é o primeiro passo para que possamos compreender a dimensão de nosso campo de ação, reconhecendo nossas possibilidades, nossas responsabilidades de nossos desafios.



É necessário dar o devido apoio a essas pessoas que se viram excluídos de uma vida em comunidade, privadas de valores e direitos mínimos da nacionalidade porque elas precisam resgatar as condições mínimas para manutenção de vínculos necessários à sobrevivência e para resgatar a dignidade pessoal. Esta é outra ponta importante do desafio que ora se apresenta que é exercitar a função pedagógica das políticas públicas de inserção. As instituições de governo e as instituições não-governamentais devem buscar parcerias, estabelecer sinergias no trabalho pela recuperação da auto-estima, da reorganização dos vínculos familiares e, conseqüentemente, de organização e mobilização da sociedade. Construir, através de um trabalho continuado, com orientação política pautada pelos princípios éticos do direito à vida, um conceito forte de nação que dê condições a cada brasileiro de exercer plenamente seu sentimento de pertencer ao seu lugar e de ser sujeito da história de seu país.



(*) Patrus Ananias é ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

Artigo originalmente publicado em 05/2005.

domingo, 21 de abril de 2013

Discriminação Racial e Inclusão Social dos Negros

         Isso só será possível com a adoção de políticas públicas inclusivas dos negros nos espaços sociais, de modo a retirar do inconsciente coletivo a noção de hierarquização da sociedade, onde os brancos ocupam os melhores espaços.
         Recentes episódios ocorridos em nossa capital despertaram a atenção da sociedade para um problema recorrente e histórico: a discriminação racial que recai sobre os negros.
Uma médica e um estudante teriam ofendido trabalhadores negros, pessoal e diretamente, fazendo uso de expressões chulas, depreciativas e racialmente discriminatórias como “macaco”, “neguinho”, “urubu”, “cachorro”.
       A indignação foi geral, a ponto de ser colocado na pauta do noticiário o clamor popular pela rigorosa punição criminal dos supostos infratores.
       Esses episódios devem servir para efetuarmos reflexões mais aprofundadas sobre a temática.
       Num primeiro momento, essa reflexão deve nos levar a admitir que existe, sim, preconceito e discriminação racial no Brasil, por mais que muitos sustentem o contrário, ou sustentem que só existe discriminação social, tendo como fator reprovável de segregação o poder aquisitivo. Essa constatação empírica, reforçada pelos episódios mencionados, é confirmada pelos números: a situação dos negros no Brasil é de segregação, exclusão, embaraço ao acesso igualitário aos bens jurídicos e oportunidades. Nada de “democracia racial”.                                               
          Os negros integram, no Brasil, agrupamento historicamente discriminado e marginalizado, o que deita raízes no passado escravista em que eram tratados juridicamente como coisa e não como seres humanos.
Isso é fato, ainda que essa discriminação racial, eventualmente, não seja explícita, mas habite o inconsciente coletivo resultante de acúmulo histórico.
Reverter esse quadro de discriminação racial contra os negros deve ser objetivo fundamental de nossa sociedade. Mas, para isso, é preciso reverter o referido quadro de inconsciente coletivo racialmente discriminatório.
       Nesse sentido, não basta a proibição contundente e a rigorosa punição das práticas discriminatórias para conseguir proporcionar uma efetiva inclusão dos negros na sociedade, erradicando a discriminação racial.
        O “exemplo” que se dá com a punição dos crimes de racismo ou de injúria racial exercem uma função pedagógica, é verdade, mas de pequeno potencial transformador do inconsciente coletivo discriminatório.
        A reversão desse quadro só será realmente possível quando a sociedade se acostumar com a ideia de que negros são realmente iguais aos brancos, e esse costume só virá quando brancos vejam negros ocupando os mesmos espaços de trabalho, ocupando os mesmos espaços de lazer, ocupando os mesmos espaços acadêmicos, enfim, ocupando os mesmos espaços sociais e convivendo normalmente, fraternalmente, como iguais (embora diferentes: igualdade na diversidade).
      Isso só será possível com a adoção de políticas públicas inclusivas dos negros nos espaços sociais, de modo a retirar do inconsciente coletivo a noção de hierarquização da sociedade, onde os brancos ocupam os melhores espaços.
       Do contrário, continuaremos a presenciar cenas e episódios repugnantes como os relatados no início deste texto, e continuaremos a cobrar severas punições aos infratores. Todavia, sem reversão do quadro.

Cotas para negros nas universidades do Brasil




Como podemos entender as “cotas” para o ingresso de negros em universidades no Brasil, se não existe uma política voltada para a educação de base? Investir na educação de base seria a melhor forma de acabar com a deficiência do ensino brasileiro, tendo em vista que o sistema de “cotas” pode se tornar mais uma forma de descriminação contra os afros descendentes, (que poderão ser taxados de incapazes para o ingresso no ensino superior). Mesmo sabendo que nós brasileiros temos uma divida de três séculos ou mais para com os negros do nosso país, sabe-se que é de grande urgência tomar uma atitude, mas talvez às “cotas” não sejam a solução.

Atualmente se fala muito em “cotas” como se esse sistema fosse resolver os problemas dos negros. Dados os fatos: as “cotas” são aprovadas, os negros entram nas universidades, entretanto pairam as perguntas: como teria sido a formação dessa pessoa no ensino fundamental e médio? Quando esses negros terminarem o curso superior, quem irá garantir a sua vaga no mercado de trabalho? Serão inventadas cotas para o exercício da profissão também? Tendo em vista que essa dicotomia que relaciona problema social ao racismo não se acabará, passará a existir uma dicotomia renovada a de que o negro só tem uma formação acadêmica devido às “cotas“, iniciando uma nova dialética na tentativa de provar a capacidade intelectual, moral e social dos afros descendentes.

Esse não seria um problema mais econômico do que racista? Ora, quem diz que se deve separar o que pertence ao negro do que pertence ao branco? Quem determina que ser negro é ser raça, e não que os negros estão incluídos na sociedade como todos os seres humanos como todos os homem e mulheres com os mesmos direitos econômicos, sociais e culturais? Quem cria a equidistância entra homens brancos e os homens negros? Quem no Brasil pode se dizer puramente negro ou puramente branco? É por isso que me sinto a vontade para dizer que o racismo no país é fato, mas não é substituindo responsabilidades econômicas para uma causa social que poderemos solucionar o problema, transferindo o descaso da educação (que é devido à má distribuição de renda no país) para o problema racial, ao invés de se resolver a questão econômica. O Estado se mostrando benevolente e voltado para as causas sociais se dedicando em acabar com o racismo no país, tirando proveito de que grupos de negros se apresentam como pessoas que lutam por uma causa muito importante que é o combate ao racismo, lutando por igualdade social, porém se mostrando exclusivos, diferentes no que diz respeito a desejarem coisas feitas para negros e não coisas produzidas para pessoa em geral. Dessa forma o próprio negro se rotula e cria o outro, se tornando ele (negro) mesmo racista ao ponto de não aceitar o que vem a ser feito de forma aleatória para humanos, sem separar onde termina um problema econômico e começa uma causa social e quando os dois estão juntos e devem ser estudados juntos.

Portanto o sistema de “cotas” não é a solução do problema racial no Brasil, até porque tem todo um arcabouço social, cultural e econômico que envolve o problema de racismo no Brasil, esse sistema pode ou não ajudar, mas com certeza não é a solução do racismo em nosso país. Então por que desde já, não se começa a investir na educação de base, de forma que, todos tenham acesso a ela, (negros, brancos, pobres, índios, imigrantes e descendentes), para que cheguem ao ensino superior em igual condição a todos sem que sejam necessárias as “cotas” para que negros tenham possibilidades de frequentar uma universidade e para que quando terminem o curso superior o mercado de trabalho esteja aberto para os receberem sejam ricos ou pobres, negros ou brancos, ou de qual quer linha social de que venha a sua descendência. Acredita-se que as “cotas” geram conflito entra as pessoas ao contrario do que se acha que facilitara a convivência entra “Negros e Brancos” dentro de uma sociedade sem raça e sem cor, isso não resolve e segundo a antropóloga Yonne Magie, profª.: UFRJ afirma que no lugar de cotas para “Negros” deve-se abrir vagas nas escolas para todos, e não é só vagas, mais sim, investir na educação de base para que se tenha uma educação de qualidade e não de quantidade. A antropóloga fala também que “falar em ‘raça’ é tentar apagar o fogo com gasolina, as ‘cotas’ é um cala-boca para a sociedade e a comunidade negra do país”, com tantos problemas sociais e econômicos no país querer resolver os problemas de racismo através das “cotas” não é a solução podendo ser um paliativo mais não resolvera a crise do racismo no Brasil, tendo em vista que as “cotas” podem servir como novo veiculo de discriminação contra os afros descendentes.

José Carlos Miranda, do MNS (Movimento Negro Socialista), afirma que a luta contra o racismo é a luta pela a igualdade, na tentativa de afirmar que todos serão iguais mesmo tendo em vista que todos são diferentes e individuais enquanto pessoas. Com isso combater a ideia de raças na tentativa de uma igualdade social, e através dessa luta pela a igualdade combater o racismo, racismo esse que passa por cima de tudo e de todos. Os negros está para a sociedade como pessoa e não como raça, coitadinho ou como o incapaz, mas sim, como pessoas que tem as mesmas capacidades como qual quer uma no meio social em que vive.
https://www.ufmg.br/inclusaosocial/?p=75

Um pouquinho sobre inclusão social nas escolas









Muito se tem falado sobre a questão da inclusão social. No contexto escolar, um dos aspectos relevantes a serem levados em conta se refere aos professores e sua formação.



Um professor capaz de promover práticas integradoras na escola deve ser, acima de tudo, um profissional empreendedor, que realmente acredite na educação e que esteja disposto a buscar respostas para suas indagações. Uma boa formação profissional não é adquirida somente durante um curso de graduação, mas no decorrer de toda a carreira docente. Todos os dias se faz necessário aprender algo novo, buscar alternativas para vencer as dificuldades, pesquisar novas maneiras de proporcionar aos alunos uma aprendizagem significativa de acordo com suas potencialidades, desenvolvendo e aprimorando meios para que o ambiente da sala de aula seja cada vez mais interessante e acolhedor para todos os que dela participam.



Trabalhar com alunos inclusivos requer muita habilidade, paciência e dedicação. Nem sempre as instâncias responsáveis ou a própria escola oferecem aos docentes recursos para que estes desempenhem com excelência esta tarefa tão importante e de imensa responsabilidade. Mas não se pode cruzar os braços perante a realidade, hoje, repleta de obstáculos. O professor não deve deixar de produzir algo positivo para a formação não apenas destes alunos, como também de todos os outros que, diretamente, participam da inclusão social juntamente com os colegas com necessidades educacionais especiais.


Independente das dificuldades individuais, estes alunos são dignos de todo o respeito e dedicação em relação à sua formação integral. Daí se faz necessário reforçar o importante papel do professor / educador neste contexto; o conhecimento científico aliado à prática docente e à criatividade são capazes de proporcionar contribuições valiosas para estes alunos.




Quando os professores realizam um trabalho realmente integrador é notável o desenvolvimento demonstrado pelos alunos ao longo do tempo, de acordo com o ritmo de cada um, bem como suas limitações naturais. O trabalho de socialização juntamente com estímulos adequados a alunos inclusivos promove diferenças marcantes no decorrer da vida escolar dos mesmos.


Cada "pequena / grande" conquista é um degrau digno ao qual eles tem todo o direito de galgar.

A INCLUSÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS






Incluir quer dizer fazer parte, inserir, introduzir. E inclusão é o ato ou efeito de incluir.

Assim, a inclusão social das pessoas com deficiências significa torná-las participantes da

vida social, econômica e política, assegurando o respeito aos seus direitos no âmbito da

Sociedade, do Estado e do Poder Público.

A Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada pela Organização das Nações

Unidas (ONU), em 1948 relaciona os seguintes direitos que valem para todos, isto é, os

chamados direitos humanos ou da cidadania:

Direitos Civis: direito à liberdade e segurança pessoal; à igualdade perante lei; à livre

crença religiosa; à propriedade individual ou em sociedade; e o direito de opinião (Art. 3°

ao 19).

Direitos Políticos: liberdade de associação para fins políticos; direito de participar do

governo; direito de votar e ser votado (Arts. 20 e 21).

Direitos Econômicos: direito ao trabalho; à proteção contra o desemprego; à remuneração

que assegure uma vida digna, à organização sindical; e direito à jornada de trabalho

limitada (Arts. 23 e 24).

Direitos Sociais: direito à alimentação; à moradia; à saúde; à previdência e assistência; à

educação; à cultura; e direito à participação nos frutos do progresso científico (Art.25 ao

28).

Esses direitos foram conquistados arduamente nos últimos 200 anos. Contudo, segundo as

condições históricas de cada país, podem ser descumpridos ou bastantes fragilizados, o que

indica que o esforço do Estado e da Sociedade por sua vigência deva ser permanente

Uma coisa é certa: para fortalecê-los entre nós, a Sociedade e o Estado brasileiros devem

agir com base no princípio da associação interdependente dos direitos, isto é, o

cumprimento efetivo de um depende do cumprimento dos outros. Por exemplo, o direito à

igualdade perante a lei depende do direito de votar e ser votado, o qual está por sua vez

associado ao direito de opinião aos direitos à educação e à saúde.

Quando isto não ocorre, os direitos de todos perdem as suas forças e, em conseqüência, os

direitos específicos das pessoas com deficiência também. Ora, se o direito universal à saúde

não está associado aos demais e além disso, é cumprido de modo insuficiente pelo Estado,

o direito à saúde específico das pessoas com deficiência igualmente será fragilizado ou

mesmo negado.

MULHERES CONQUISTAM ESPAÇOS E VÃO DAR AS CARTAS NO GRUCON



A ex-presidente Jussara Gabriel dos Santos, de consenso da maioria dos filiados da instituição supra-citada (Grupo de Consciência Negra de Uberlândia) foi reconduzida ao cargo de presidente por mais um mandato (2013/2015); a vice ficou com Maria Laura Pacheco da Silva; Secretária Geral, Cléia Rodrigues Evangelista; Vice-secretária: Cristina Soares da Silva; Tesoureira: Maria Aparecida da Silva; e o vice Tesoureiro; Welder de Freitas Silva (o único homem da executiva e mesmo assim como vice).

Nota: Parabéns a todos os eleitos aos reeleitos e aqueles que querem fazer a diferença que querem de fato contribuirem para a evolução de nossa sociedade, lutar contra o racismo contra o preconceito e pela inclusão social ..


Claudio Vitorino

Caminho da Cidadania: projeto oferece oficinas culturais e inclusão social a crianças carentes







A Associação dos Moradores do Tabuleiro (AMT) é uma organização não governamental que atua na promoção do desenvolvimento social na cidade de Jaguaruana, Ceará.


Fundada em 1985, no bairro Tabuleiro, a AMT desenvolve trabalhos comunitários que são definidos em reuniões com os moradores, que executa as ações através de mutirões, palestras e ações coletivas, que visam a melhoria da qualidade de vida na comunidade.


A principal bandeira da AMT é a busca pelo acesso aos direitos humanos básicos, como saúde, educação, lazer, geração de renda e inclusão social.


Há, dentro das atividades da AMT, grupos voltados a públicos específicos, como jovens, Terceira Idade e crianças. A renda per capita dos moradores da cidade de Jaguaruana é baixa, sendo que de acordo com dados do IBGE, 89% das 8.903 famílias vive com apenas um salário mínimo.


O projeto Caminho da Cidadania é uma ação da AMT em busca da inclusão social de crianças, adolescentes e jovens que estão em situação de vulnerabilidade social. A oferta de ações socioculturais, como oficinas de violão, teclado, fanfarra, canto/coral, dança, flauta e reuniões com famílias forma a principal veia de trabalho da ONG.


Este projeto atende diretamente 200 crianças e adolescentes, e beneficia indiretamente outras 700 pessoas. O trabalho foi reconhecido pela UNESCO e em 2013, o Caminho da Cidadania receberá verba do programa Criança Esperança, que será destinada para a aquisição de equipamentos eletrônicos, como impressora, computador, microfones e caixa de som; eletrodomésticos; instrumentos musicais, como teclado, surdo, repique, bongo, flauta doce, etc.; mobiliário; material pedagógico e de consumo; e camisetas, além de permitir o custeio com lanches e o pagamento de instrutores para as oficinas.


Para saber mais sobre o projeto Caminho da Cidadania ou sobre a ONG Associação dos Moradores do Tabuleiro, envie e-mail para associacaomt@hotmail.com ou telefone para os números (88) 9964-7064 / 9283-6612.

Apae realizou Maratona de Inclusão Social em Ituiutaba, MG







A sexta edição da Maratona de Inclusão Social da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro, foi realizada no dia 13 de abril. A maratona foi dividida em percursos de três e cinco quilômetros e reuniu 400 corredores pelas ruas dos Bairros Ipiranga e setor universitário. Alunos da Apae também correram dentro de um ginásio.


A educadora física, Carla Aline, falou da importância do incentivo à prática de atividades físicas para crianças com necessidades especiais. “É muito importante direcionar para melhorar a autoestima deles e mostrar que elas são capazes, que elas têm condições de superar não só a deficiência, mas tudo o que vier na vida delas”, disse.


Mesmo o evento não valendo pontos para nenhuma competição oficial o atleta Gildásio Pereira compareceu e levou um pouco da sua experiência. “O tempo está fresco, então, é correr e tentar a colocação melhor. Neste sábado é ‘brinde’, mas só a participação já vale”, comentou.


A dona de casa Sandra Gouveia disse que ver a filha disposta e participando da atividade é a realização de um sonho. “É um direito de toda criança especial ter isso aqui. Ela estar junto com o pessoal classificado é uma conquista imensa. Eu acho que a sociedade devia acolher melhor essas nossas crianças”, concluiu.

A Deficiência Inclusão Social



Incluir quer dizer fazer parte, inserir, introduzir. Inclusão é o acto ou efeito de incluir.
Assim, a inclusão social das pessoas com deficiências significa torná-las participantes da vida social, económica e política, assegurando o respeito aos seus direitos no âmbito da Sociedade, do Estado e do Poder Público. A inclusão é um processo que acontece gradualmente, com avanços e retrocessos isto porque os seres humanos são de natureza complexa e com heranças antigas, têm preconceitos e diversas maneiras de entender o mundo. Assim sendo, torna-se difícil terminar com a exclusão e mesmo existindo leis contra a mesma, não são leis que vão mudar, de um dia para o outro, a mentalidade da sociedade assim como o seu preconceito.

As sociedades antepassadas não aceitavam a deficiência, provocando uma exclusão quase total das pessoas portadoras desta. As famílias chegavam mesmo a escondê-las da convivência com outros, isolando-as do mundo. Felizmente, o mundo desenvolveu levando a uma maior aceitação da deficiência devido ao aparecimento de novos pensamentos e mentalidades. Estas transformações aconteceram, em grande maioria, no final do século XIX e começo do século XX na Revolução Industrial, com o aparecimento do interesse pela educação nos países desenvolvidos. Esse interesse provocou o início do atendimento aos deficientes, bem como o aparecimento da educação especial destinada a um movimento de inclusão escolar e social.
Assim a sociedade aprendeu a ser mais inclusiva, compreensiva e solidária com a deficiência.
Hoje, as crianças com deficiência frequentam a escola, saem a rua, brincam, vivem como uma criança dita “normal”. No entanto, ainda temos um longo caminho a percorrer para que todas as pessoas se sintam integradas e apoiadas por todo o mundo.

Vários países já criaram leis que protegem os deficientes e que os incluem na sociedade. Um deficiente deve ser considerado um cidadão, isto é, um indivíduo que pode gozar dos seus direitos civis, políticos, económicos e sociais de uma sociedade assim como deve cumprir os seus deveres para com esta.
Um cidadão deve ter dignidade, ter honra e ser respeitado por qualquer outro, ou seja, todos os deficientes têm direito a ser respeitados pois também são cidadãos. Alguns dos objectivos de vários países são:
• “Promover o bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”;
• “Construir uma sociedade livre, justa e solidária”;
• “Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais”;

A expressão “bem de todos” indica que os direitos e deveres da sociedade pressupõem que todos são iguais perante a lei.
No entanto, as pessoas com deficiência possuem necessidades diferentes o que as tornam especiais. Desta forma, é importante existir direitos específicos para as pessoas portadoras de deficiência, direitos que compensem, na medida do possível, as limitações e/ou impossibilidades a que estão sujeitas.

Existem muitas leis, no entanto, as atitudes de rejeição criam barreiras sociais e físicas que dificultam o processo de integração.
Isto deve-se ao facto da sociedade possuir um modelo de Homem, ou seja, cada pessoa elege um padrão e todos os que fujam a ele são olhados de má forma. Um bom exemplo disto são os deficientes que, por vezes, também são olhados na rua como algo diferente, talvez por fugir ao modelo de Homem estabelecido por cada um. A dificuldade de ultrapassar este modelo de Homem acontece por certas pessoas considerarem outras “menos inteligentes” (como pode acontecer com os deficientes mentais, por exemplo).

Como sabemos, e como já foi referido, são inúmeros os obstáculos existentes para os deficientes, sendo a inclusão escolar uma das grandes barreiras no nosso país.
“Uma escola para todos e para cada um” é um grande objectivo a cumprir para a inclusão. Uma escola que acolhe as diferenças, que colabora, que convive será um bom princípio para combater a exclusão social. Dividir a escola em termos de alunos “normais” e alunos “deficientes” não é certamente um princípio inclusivo e o objectivo pretendido.
O caminho para termos uma sociedade incluída será, provavelmente, aprofundar a Educação Inclusiva apoiando todos os alunos com dificuldades, dando-lhes uma educação de qualidade num ambiente comunitário e diverso.



Fonte:http://deficiencia.no.comunidades.net/index.php?pagina=1177118084

Inclusão social



Inclusão social é um conjunto de meios e ações que combatem a exclusão aos benefícios da vida em sociedade, provocada pela falta de classe social, origem geográfica, educação, idade, existência de deficiência ou preconceitos raciais. Inclusão Social é oferecer aos mais necessitados oportunidades de acesso a bens e serviços, dentro de um sistema que beneficie a todos e não apenas aos mais favorecidos no sistema meritocrático em que vivemos. Nossa cultura tem uma experiência ainda pequena em relação à inclusão social, com pessoas que ainda criticam a igualdade de direitos e não querem cooperar com aqueles que fogem dos padrões de normalidade estabelecidos por um grupo que é a maioria. E diante dos olhos deles, também somos diferentes. E é bom lembrar que as diferenças se fazem iguais quando colocadas num grupo que as aceitem e as consideram, pois nos acrescentam valores morais e de respeito ao próximo, com todos tendo os mesmos direitos e recebendo as mesmas oportunidades diante da vida.


Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Inclus%C3%A3o_social

Claudio Vitorino em ação..

Postagens populares

Google+ Followers

Arquivo do blog

Claudio Vitorino em ação..

Aquele que acredita que o interesse coletivo está acima do interesse individual , que acredita que tudo e possível desde que tenha fé em Deus e coragem para superar os desafios...

Vida difícil? Ajude um estranho .

Pode parecer ilógico -no mínimo pouco prioritário- ajudar um estranho quando as coisas parecem confusas na nossa vida. Mas eu venho aprendendo que este é um poderoso antídoto para os dias em que tudo parece fora do lugar.

Como assim, pergunta o meu leitor mais cético? E eu explico:
Há duas situações clássicas onde podemos auxiliar uma pessoa que não conhecemos. A primeira é através de doações e gestos similares de caridade. Estes atos são maravilhosos e muito recomendáveis, mas não é deles que quero falar hoje.


Escolhi o segundo tipo: aquelas situações randômicas onde temos a oportunidade de fazer a diferença para uma pessoa desconhecida numa emergência qualquer. Na maioria das vezes, pessoas com quem esbarramos em locais públicos, envolvidas em situações que podem ir do estar atrapalhado até o precisar de mãos para apagar um incêndio.

E o que nós, imersos nas nossas próprias mazelas, distraídos por preocupações sem fim amontoadas no nosso tempo escasso, enfim, assoberbados como sempre... O que nós temos a ver com este ser humano que pode ser bom ou mau, pior, pode sequer apreciar ou reconhecer nosso esforço?


Eu vejo pelo menos seis motivos para ajudar um estranho:


1) Divergir o olhar de nossos próprios problemas
Por um momento, por menor que seja, teremos a chance de esquecer nossas preocupações.
Dedicados a resolver o problema do outro (SEMPRE mais fácil do que os nossos), descansamos nossa mente. Ganhamos energia para o próximo round de nossa própria luta.
Esta pausa pode nos dar novo fôlego ou simplesmente ser um descanso momentâneo.


2) Olhar por um outro ângulo
Vez ou outra, teremos a oportunidade de relativizar nossos próprios problemas á luz do que encontramos nestes momento. Afinal, alguns de nossos problemas não são tão grandes assim...
Uma vez ajudei Teresa, a senhora que vende balas na porta da escola de meu filho. A situação dela era impossível de ser resolvida sozinha, pois precisava “estacionar” o carrinho que havia quebrado no meio de uma rua deserta. Jamais esquecerei o olhar desesperado, a preocupação com o patrimônio em risco, com o dia de by Savings Sidekick">trabalho desperdiçado, com as providências inevitáveis e caras. E jamais me esquecerei do olhar úmido e agradecido, apesar de eu jamais ter comprado nada dela. Nem antes nem depois.
Olhei com distanciamento o problema de Teresa. E fiquei grata por não ter que trabalhar na rua, por ter tantos recursos e by Savings Sidekick">oportunidades. E agradeci por estar lá, naquela hora, na rua de pouco movimento, e poder oferecer meus braços para ela.


3) Não há antes, nem depois ...
Na intricada teia de nossos by Savings Sidekick">relacionamentos, dívidas e depósitos se amontoam. Ajudar um conhecido muitas vezes cria vínculos ou situações complexas. Ás vezes, ele espera retribuir. Outras vezes, esperamos retribuição. Se temos ressentimentos com a pessoa, ajudá-la nem sempre deixa um gosto bom na boca. Se ela tem ressentimentos conosco, fica tudo muito ruim também.
Já com estranhos são simples. É ali, naquela hora. Depois acabou. E não há antes. Que alívio!
(mas não vamos deixar de ajudar os conhecidos dentro de nossas possibilidades, hein?)


4) A gratidão pelo inesperado é deliciosa
Quem se lembra de uma vez em que recebeu uma gentileza inesperada? Não é especial? E nem sempre estamos merecendo, mal-humorados por conta do revés em questão.
Ou quando ajudamos alguém e recebemos aquele olhar espantado e feliz?
Ontem mesmo, eu estava numa fila comum de banco. Um senhor bem velhinho estava atrás de mim. Na hora em que fui chamada, pedi que ele fosse primeiro. “Mas por que, minha filha?”. “Pelos seus cabelos brancos”, respondi. Ele, agradecido, me deu uma balinha de hortelã. Tudo muito singelo, muito fácil de fazer, mas o sentimento foi boooom.


5) Quase sempre, é fácil de fazer.
Uma vez eu fiquei envolvida por uma semana com uma mãe e um bebê que vieram para São Paulo para uma cirurgia e não tinha ninguém para esperar no aeroporto. Levei para um hotel barato, acompanhei por uma semana e tive medo de estar sendo usada, reforçada pelo ceticismo de muitas pessoas ao meu redor. No final, deu tudo certo e a história era verdadeira.
Mas na maioria dos casos, não é preciso tanto risco ou tanto tempo. Uma informação; um abaixar para pegar algo que caiu; uma dica sobre um produto no supermercado. Dar o braço para um cego (nunca pegue a mão dele, deixe que ele pegue o seu braço, aprendi com meu experiente marido). Facílimo, diria o Léo. E vamos combinar, fácil é tudo que precisamos quando o dia está difícil, certo?

6) Amor, meu grande amor
Finalmente, ajudar estranhos evoca o nosso melhor eu. É comum termos sentimentos de inadequação, baixa auto-estima e insatisfação conosco quando estamos sob tempo nublado. E ajudar o outro nos lembra que somos bons e capazes. Ajudar um estranho demonstra desapego, generosidade, empatia pelo próximo. E saber que somos tudo isto quando o coração está cinza... É para olhar com orgulho no espelho, não?

Portanto, se hoje não é o seu dia... Faça o dia de alguém. E se é um dia glorioso... Vai ficar melhor!

Fonte:http://www.vivermaissimples.com/2011/03/vida-dificil-ajude-um-estranho.html

Karoline Toledo Pinto

Karoline Toledo Pinto
Karoline Agente Penitenciária a quase 10 anos , bacharelada no curso de Psicologia em uma das melhores Instituição de Ensino Superior do País , publica um importante ARTIGO SOBRE AS DOENÇAS QUE OS AGENTES PENITENCIÁRIOS DESENVOLVEM NO EXERCÍCIO DE SUAS FUNÇÕES . Aguardem em breve aqui será publicado .APESAR DAS PERSEGUIÇÕES INFUNDADAS DAS AMEAÇAS ELA VENCEU PARABÉNS KAROL SE LIBERTOU DO NOSSO MAIOR MEDO A IGNORÂNCIA CONTE COMIGO.. OBRIGADO CLAUDIO VITORINO

Filmes que mudarão sua vida..

  • A cor púrpora
  • A espera de um milagre
  • A procura da felicidade
  • A prova de fogo
  • Antes de partir
  • Desafiando gigantes
  • Ensina-me a viver
  • Paixão de Cristo

Postagens populares